All Articles

Dividendos: O que são e porque existem?

Bem-vindo!

Hoje vou-te falar de dividendos. O amor de muitos investidores e o cerne da filosofia de investimento Dividend Growth Investing. O que são? Porque é que as empresas distribuem dinheiro? Vamos ver!

O que são?

Um dividendo é, simplesmente, o pagamento de uma certa quantia aos acionistas da empresa. Por exemplo, uma empresa que tem uma receita de mil milhões e um lucro de 500 mil euros, pode definir repartir pelos acionistas 50% dos seus lucros. Admitindo que existem cem mil ações, cada investidor teria direito a

500 000€ * 50% / 100 000€ = 2,5€ por ação

O conceito é fácil de perceber; a razão de uma empresa distribuir dividendos é mais complicada, e foi algo que eu demorei a entender.

Porque é que a empresa não fica com o dinheiro para si?

Bem, a resposta não é simples e há vários fatores em jogo, mas comecemos pelo percurso de uma companhia comum:

Quando inicia atividade, uma empresa tem uma receita reduzida, poucos trabalhadores e uma fatia diminuta do mercado onde opera. À medida que cresce as suas operações, adquire uma percentagem maior do meio onde atua e aumenta as suas receitas. Nesta altura é provável que a empresa cresça a uma velocidade estonteante, às vezes duplicando ou triplicando as receitas a cada ano. Durante este frenesim, cada cêntimo está, geralmente, destinado a alimentar a sua expansão, para maximizar o poder no mercado em que se insere no menor intervalo de tempo possível.

Quanto mais a empresa cresce, menos mercado existe para poder consumir no futuro. Pode continuar a expandir a um bom ritmo, mas já passaram os tempos em que era normal duplicar anualmente a sua percentagem do mercado. Eventualmente, estabiliza e a sua fatia do mercado aumenta a um ritmo mais lento. Este ponto marca uma mudança no ciclo de vida de uma empresa.

Mudança de Direção
Mudança de Direção

Então, o que faz uma empresa quando estabiliza?

Neste ponto, a empresa tem diversas possibilidades para o futuro. Parte do seu capital está destinada aos custos de operação, isto é, pagar salários, matéria-prima, rendas dos espaços que utiliza, etc. Outra parte será muito provavelmente utilizada para manter ou aumentar a sua posição no mercado, por exemplo, através de publicidade ou investigação e desenvolvimento de produtos.

Após estes custos e investimentos, a empresa pode destinar o seu capital a vários fins: diversificar os seus investimentos e entrar noutro mercado através da criação de novos produtos ou aquisição de outras companhias; pagar dívida previamente contraída; reduzir os custos operacionais, pelo meio de, por exemplo, restruturações.

Uma vez que tenha esgotado as suas opções de investimento, quer por não existir mais espaço para expansão, quer por não acreditar que consegue obter um rendimento aceitável, a empresa enfrenta um desafio: o que fazer com o capital de sobra?

Por um lado, tem a possiblidade de manter o dinheiro, esperando que surja alguma oportunidade de investimento. Esta opção pode beneficiar a empresa à procura de oportunidades de expansão, contudo implica a utilização de investimentos a curto prazo, cuja rentabilidade costuma ser reduzida.

Por outro lado, pode decidir distribuir dividendos. Qual é o benefício? Os acionistas poderão utilizar o dinheiro noutro investimento mais rentável que os investimentos a curto prazo a que a empresa recorreria.

Porque é que a empresa haveria de beneficiar o acionista em vez de a si mesma?

Porque é exatamente a sua função. Uma empresa não é mais que um investimento onde se troca risco por um retorno monetário. Ultimamente, um acionista é um dono de uma percentagem da empresa e, assim como um negócio pequeno onde o dono paga a si próprio com o lucro da sua atividade, um acionista também é recompensado pelo seu investimento na empresa em questão.

"Only buy something that you’d be perfectly happy to hold if the market shut down for 10 years." - Warren Buffet
"Only buy something that you’d be perfectly happy to hold if the market shut down for 10 years." - Warren Buffet

Os dividendos são, sem dúvida, uma fonte de retorno bastante útil e apreciada por investidores. Contudo, deve ser tido em conta que a sua distribuição é apenas uma de duas maneiras de recompensar o acionista. A rentabilidade total de uma ação, ou fundo, deve contabilizar não só o dividendo, nem apenas a sua valorização, mas ambos! Isto é, uma ação com uma rentabilidade de dividendos de 3% e que valoriza 7% num ano, teve um retorno total de 10%.

Disto, retira-se que, apesar de certas empresas não distribuirem dividendos, o seu retorno pode ser compensado pela valorização da ação, e vice-versa. Concluindo, uma ação não é necessariamente melhor por repartir dividendo: deve ser tida em conta a rentabilidade total.

Além disso, o facto dos dividendos serem taxados quando recebidos, mas a valorização da ação só estar sujeita a impostos aquando da sua venda, pode ser útil para o investidor. Principalmente em Portugal que os dividendos são taxados a 28%, atrasar o seu pagamento, por exemplo, investindo em ETFs acumulativos, pode ajudar a aumentar o retorno total do portfólio. Entre outros, este é um assunto que Warren Buffet explica na carta aos acionistas de 2012 da Berkshire Hathaway, empresa que preside, que recomendo ler.

Também é importante mencionar que a repartição de dividendos não é o único método de recompensar o acionista: existe também a possibilidade de fazer a recompra de ações, isto é a empresa comprar as próprias ações, diminuindo o número de ações disponíveis para o público, levando a que as ações valorizem. Este processo é, por vezes, um pouco mais controverso, e é suficientemente abrangente para merecer o seu próprio artigo.


Os dividendos são, sem dúvida, uma componente importante do investimento e não devem ser menosprezados. Ao mesmo tempo, a desvantagem a nível de impostos pode ser suficiente para preferir ETFs que não distribuem dividendos, mas que os reinvestem.

De qualquer das formas, espero que o artigo tenha sido elucidativo e que compreendas a razão da existência de dividendos. Qual é a tua opinião sobre dividendos? Deixa o teu ponto de vista nos comentários abaixo!